quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Um pouco da minha História

Olá morangos voltei com post diferente dos que eu normalmente faço ,vou contar um  pouco da minha história para vocês.
Meu nome é Stefanny Maiara Lucas de Almeida , nasci no dia 20/03/1993, com 2kg ,logo que eu nasci meus pais começaram a fazer acompanhamento médico na Unicamp comigo , pois como podem vir eu nasci com 2 quilos um peso baixo considerando que nasci de 9 meses, esse acompanhamento foi até meus dois anos de idade , logo os médicos me liberaram, aos 6 anos eu sofri um acidente de carro junto com minha família , no qual eu quebrei o fêmur esquerdo , e fiquei com algumas sequelas .Já recuperada do acidente aos 8 anos comecei a fazer acompanhamento com a endocrinologista, porque pela minha idade, meu peso e minha altura era abaixo da curva de crescimento, aos 10 anos a endocrinologista que cuidava de mim recomendou que eu fizesse acompanhamento com uma colega dela que atendia pelo convenio , troquei de endocrinologista e comecei a fazer vários exames no qual fui diagnosticada com deficiência no hormônio GH(hormônio do crescimento) , a partir da descoberta do porque da minha baixa estatura  a médica entrou com processo para que eu pudesse tomar hormônio sem pagar , pois o tratamento é muito caro, foi mais um ano de exames e burocracia , com 11 anos eu comecei a sentir dores no radio direto(punho braço direito),e como estava nesse processo de exames para conseguir tomar o hormônio , a médica me informou que teria que fazer outro exame para mostra a idade óssea pois o que foi mandado era antigo, esse exame é nada menos do que um raio - x no punho esquerdo , e como eu me queixei de dor para a médica ela pediu que eu fizesse um raio -x dos dois braços.No braço direito onde eu me queixava de dor apareceu uma mancha branca no osso , ela logo me encaminhou a um ortopedista ,que quando olhou o exame disse que eu deveria ter batido o braço e estava cicatrizando , ele ficou mais preocupado com o meu andar com a perna que eu havia quebrado o fêmur, na época ele disse que o nervo colou junto com o osso e eu precisaria fazer uma cirurgia .Uns meses se passaram e dezembro chegou , eu ainda sentia dor no braço mas vivia a base de remédio , na escola eu não praticava educação física para não piorar , e meu professor entendia meu caso plenamente, mas teve um dia que meu professor faltou e foi substituído pelo professor da escola que ninguém gostava muito por ser severo demais, fui conversar com ele sobre meu braço, ele disse que conhecia este tipo de conversinha , que na verdade era só desculpa para não fazer a aula , eu ainda tentei conversar mas não teve jeito , tive que fazer a aula , que consistia em carregar um pneu de caminhão .Os dia foram passando e com o remédio eu conseguia mascarar a dor e assim conseguir brincar e fazer as coisas melhor,no dia 14 de dezembro fui na casa de uma colega passar o dia lá, passamos o dia brincando e jogando vôlei, no dia seguinte eu passei o dia bem ,16 de dezembro , ultimo dia de aula ,apresentação  de flauta doce para os pais, reunião de pais e amigo secreto , foi um dia até que bom , naquele dia eu cumpri minha promessa aos meus colegas e fui para escola de cabelo solto , já que desde que eu entrei na escola só ia de trança , nesse dia recebi muitos elogios dizendo como meu cabelo era lindo ,por ter cachos bonitos , eu estava realmente feliz , fui para casa radiante aquele dia.Eu me lembro que nesse dia tinha apresentação de coral na praça da cidade e meus pais queriam ir , quando minha mãe chegou do trabalho e foi conversar com a mulher que cuidava de mim e das minhas 2 irmãs mais novas , a mulher disse para minha mãe que eu passei o dia inteiro com dor , minha mãe achou estranho porque quando ela me deixou na escola eu estava bem , logo a noite chegou e fomos ver a apresentação na praça, não havia muito tempo que tínhamos chegado quando eu já não aguentava de dor , chamei meu pai e pedir para ele me levar ao médico porque a dor era muita, meu pai percebeu que era realmente muito serio , já que eu sempre odiei médico, hospital e agulhas ,logo ele me levou ,assim que cheguei a médica platonista pediu um raio -x que logo ficou pronto , assim que ela olhou ela disse ao meu pai:"Pai , não deixa essa menina bater , ou fazer esforço neste braço ,nada que pode leva ela a quebra-lo, e o senhor tem que marcar com um ortopedista o mais rápido possível".Meu pai ficou assustado mas fez o que a médica disse, logo ele marcou com o ortopedista que a médica platonista indicou ,conseguimos um encaixe , logo o médico pediu ressonância magnética , cujo resultado eu fique sabendo dia 31 de dezembro de 2004.Osteossarcoma , tumor maligno, logo esse ortopedista me encaminhou a um colega dele que era especialista nesse tipo de tumor, 2 de janeiro de 2005 eu já estava me consultando com esse médico , que logo pediu uma biópsia e veio a confirmação do tumor,logo já estava colocando cateter para começar quimioterapia , 18 de janeiro fiz minha primeira sessão,2005 foi um ano difícil para mim ,    enquanto minhas amigas estavam menstruando pela primeira vez ou simplesmente tendo seu primeiro beijo eu vivia da clinica para casa, de casa para o hospital , mas isso não me abalou, fiz tratamento cerca de 1 ano ,logo entrei em estado de remissão.
2009 foi um ano que me marcou ,foi o ano que eu tive aquela paixãozinha mais forte, foi quando tive a decepção que mais me marcou e foi o ano que perdi minha avó materna, mas 2010 foi o ano que tudo isso me atingiu com força ,em relação ao garoto não posso falar muito , mas 5 dias antes do meu aniversário de 17 anos minha cadela morreu , ela cresceu junto comigo , como não bastasse isso foi o primeiro ano sem minha vó lembrando do meu aniversário , foi a partir desse ano que eu nunca mais comemorei meu aniversário , 2010 também foi o ano que eu descobri que tenho uma doença crônica e autoimune ,Polirradiculopatia axonal motora crônica , conclusão trata-se de condição crônica com sequela motora permanente de tetraparesia(perda parcial dos movimentos dos membros).
Essa é minha história , quando eu pensei em fazer este post , foi pensando nas garotas que assim como eu sobrevivem um dia de cada vez , sem que tem muitas garotas sofrendo por não ser aceita do jeito que é, só posso dizer que eu vive todas essas coisas mas nunca estive só , e vocês também não estão ,eu estou com vocês seja a onde estiverem,pois eu sei como é difícil ser aceita , sei como é sofrer , mas sei também que vocês são fortes tanto quanto eu fui.
Até logo morangos !

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget